• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

A DEMOCRATIZAÇÃO DO MERCADO FINANCEIRO

Houve um tempo em que investir em Bolsa ou até mesmo em Tesouro Direto era somente
para investidores com alto poder aquisitivo, devido às altas taxas de corretagem e custódia.
Porém, muita coisa mudou, novas corretoras de valores chegaram ao mercado e
democratizaram a forma como lidamos com nossos investimentos. Vamos conversar um
pouco sobre isso neste artigo.

REALIDADE

Até 2013, segundo uma pesquisa realizada pelo site infomoney.com.br, existiam mais
Brasileiros presos do que investidores em Bolsa, enquanto 598.050 estavam encarcerados,
apenas 594.950 pessoas investiram em ações.

Por muito tempo este mercado era exclusivo das corretoras vinculadas aos grandes
bancos, onde os mesmos cobravam altas taxas de corretagem e custódia, com médias de
0,5% até 1% por negociação em bolsa. Era um mercado totalmente diferente do que temos
hoje.

Com a chegada de corretoras independentes como a XP Investimentos, que desafiou o
modelo de negócio dos ‘’Bancões’’, trazendo um serviço de melhor qualidade, com menores
taxas e com atendimento exclusivo voltado para o perfil de cada investidor, o cenário
gradualmente foi mudando e hoje temos um mercado de investimentos muito mais
desburocratizado e acessível para qualquer pessoa que queira começar a investir.

A tecnologia aproximou as pessoas e proporcionou a evolução de praticamente todos os
setores da economia, na bolsa de valores não seria diferente. Todos os meses a B3 emite
um relatório sobre a quantidade de investidores que investem em bolsa. No mês passado,
em Março, ultrapassamos a marca de 3 milhões de pessoas físicas na bolsa, um número
jamais alcançado antes.

PANORAMA FUTURO

Podemos ver um crescimento expressivo no número de CPFs na bolsa, onde de acordo
com a B3 neste ano de 2024 ,mais da metade dos investidores aplicam até R$ 10 mil e
74,7% são homens e 24,3% são mulheres.

Podemos afirmar que isso é devido a uma série de fatores, Taxa Selic em tendência de
queda fazendo com que os investidores tenham que buscar novos meios para rentabilizar
seu patrimônio, novas corretoras de valores entrando no mercado, conforme mencionamos
ali em cima, trazendo assim taxas extremamente competitivas, e o mais importante, a
disseminação da educação financeira através das redes sociais na internet.

Atualmente existem inúmeros canais no Youtube, perfis no Twitter e no Instagram que
contribuem para disseminar a educação financeira no Brasil. Muitos desses perfis foram
criados por economistas e especialistas renomados do mercado, que elaboram conteúdos
simples e didáticos para todo tipo de investidor.

Cada vez mais as pessoas vão tomando conta dos benefícios de poder controlar e investir
seu dinheiro por conta própria. Projeções indicam que até 2026 poderemos ter mais de 10
milhões de CPFs na Bolsa de Valores, um número que está longe dos países
desenvolvidos, mas que traz esperança para o mercado brasileiro. Podemos ter a certeza
de que esse é um movimento sem retorno, a educação financeira já está fazendo parte da
vida dos brasileiros.

Conte sempre com a ajuda de um Assessor de Investimentos para encontrar as melhores
oportunidades de investimentos para o seu perfil, na JB3 Investimentos você encontra uma
equipe de especialistas que vão te ajudar em todas as fases da sua vida como investidor.

por Victor Silvestre

Experiente assessor de investimentos, com 8 anos de experiência no Mercado Financeiro, graduado em Administração. Com habilidades sólidas em gestão e análise de investimentos, Victor é credenciado pela Ancord para auxiliar seus clientes da melhor maneira possível.

O post A DEMOCRATIZAÇÃO DO MERCADO FINANCEIRO apareceu primeiro em Notícias de Florianópolis – Fique por dentro de Floripa | DeOlhoNailha.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.